Hi!

 

My name is Ana and I have never eaten a burger at McDonalds. And yes, that is a fact we can discuss if we ever meet. Other than that I have tried some exotic foods over the course of my travels. Do you like traveling? For me traveling is as essential as breathing and, if I go a long time without traveling, I end up feeling claustrophobic inside my own skin.

 

Traveling is what got me into photography. I used to have myopia and whenever I went somewhere new I couldn't actually see the particular magic of the place. After I got surgery I could see even the littlest ray of light around the leaves of a tree and I thought “oh my, i need to register this, in case i loose my sight again i’ll have something to hold on to”, and so I did. I started documenting every travel I made and every single amazing detail of what i saw, and ended up usually with 4000 photos on a  3 day trip. And then a friend got married and I shot her wedding as a “try-out” and I realized that there was something even better in the world than lights and leaves: emotions! True love, pure joy, intense happiness…

 

And years later here we are: I am one of the lucky ones! My job is actually one of my favorite things to do in life and I get to travel all over and share with people what it is I see when I witness their beautiful, amazing, celebrations of love! How awesome is that?!

 

 

---

 

Olá!

 

Chamo-me é Ana e nunca comi um hambúrguer do McDonalds. E sim, este é um facto que podemos discutir quando nos conhecermos. Mas para além disso já experimentei algumas comidas exóticas durante as minhas viagens. Para mim viajar é tão essencial como respirar e se eu ficar muito tempo sem o fazer acabo por me sentir claustrofóbica dentro da minha própria pele.

 

Viajar é o que me fez começar por fotografar. Eu tinha miopia e sempre que ia a algum lugar novo não conseguia ver a magia particular de cada sítio. Depois de ser operada aos olhos notei que conseguia ver até o mais pequeno raio de luz à volta da folha de uma árvore e pensei “uau, preciso de registar isto para se algum dia deixar de ver bem outra vez ter algo a que me agarrar”, e foi o que fiz. Comecei a documentar cada sítio onde ia e cada pequeno detalhe que via e acabava, invariavelmente com 4000 fotografias numa viagem de 3 dias. E um dia uma amiga casou e eu fotografei o casamento dela numa de “experimentar” e descobri que existia algo ainda melhor do que luzes e folhas: emoções! Amor verdadeiro, alegria intensa, felicidade pura…

 

E anos depois aqui estamos: eu sou uma das pessoas com sorte! O que faço da vida é, realmente, uma das minhas coisas favoritas e tenho o privilégio de correr o mundo a fazê-lo e a partilhar com as pessoas aquilo que vejo quando testemunho as suas fantásticas celebrações de amor! Quão espectacular é isso?!